hidden_link hidden_link

Partos e ferilização in vitro nos EUA duas nacionalidades para seu filho

A única companhia que tem um ginecologista e um pediatra dentro da mesma empresa

Visto para os Estados Unidos. Mais de 10 anos de experiencia


Confie na gente!

A companhia “Miami-mãe” iniciou a sua atividade na organização de partos em 2004 na costa ocidental dos EUA nos estados de Califórnia, Washington, Oregon e posteriormente espalhou a sua atividade para a maioria dos estados da costa oriental dos EUA. Segundo a estatística e repercussões a companhia “Miami-mãe” é uma das mais bem-sucedidas e desenvolvidas neste tipo de serviços! Em virtude do desenvolvimento bem-sucedido e alta demanda destes serviços, conseguimos abrir oficialmente em 2009 uma repartição afiliada da companhia em Miami. A data de fundação e registo de qualquer empresa no estado de Florida poderá ser verificada aqui http://search.sunbiz.org/Inquiry/CorporationSearch/ByName

A “Miami-mãe” — é a primeira companhia que abriu as suas portas para as russas que querem dar à luz o seu bebé no melhor clima do mundo aproveitando da assistência médica de alto nível. Oferecemos aos nossos clientes o serviço de alta qualidade com base à nossa experiência de muitos anos na organização e no acompanhamento de partos nos EUA.

A questão de escolha do doutor é o aspeto importante na organização de partos nos EUA e na assistência depois dos partos. Todos os clientes da nossa companhia têm a oportunidade de escolher o doutor com a qualificação respetiva e que é o mais conveniente para cada caso concreto de toda a nomenclatura de doutores que cooperam com a nossa companhia.

A ginecologista e a pediatra — são doutores profissionais russos, funcionárias da companhia “Miami-mãe” — ajudarão a escolher o melhor ginecologista em Miami baseando-se nas peculiaridades do desenvolvimento da sua gravidez.

O aspeto de maior importância na organização de partos é pessoal a trabalhar com você, aqueles que ajudarão a resolver vários problemas. Para os clientes temos criado uma equipe eficaz e unida composta de 30 funcionários. É um dos pontos mais fortes da nossa companhia pois serão assistidos pelos médicos e enfermeiras russos que passaram a instrução nos EUA, passaram os exames nos EUA e confirmaram os seus diplomas russos, bem como tradutores licenciados na medicina, especialistas de seleção de moradia, motoristas assistentes, professores de inglês.

Na companhia “Miami-mãe”, a seção médica é chefiada pelos doutores profissionais russos — ginecologista Ekaterina M e pediatra Margarida А.

São elas que junto com outros funcionários médicos acompanharão a mãe futura durante as visitas aos médicos.

A logística bem organizada é também uma parte inerente da nossa companhia. O transporte é garantido dia e noite. A nossa companhia tem um funcionário disponível para telefonemas 24 horas. Oferecemos a logística complexa para a comodidade das nossas clientes – viagens aos médicos, hospitais, lojas, eventos de divertimento, excursões.

Os documentos corretamente preparados apresentam a possibilidade de escolha – voltar a casa logo depois dos partos ou ficar na Florida ensolarada e garantir ao seu bebé recém-nascido as condições formidáveis depois dos partos! A companhia “Miami-mãe” garante a formalização de todos os documentos durante 6 semanas desde o nascimento do seu bebé. Temos bons contatos e conhecimentos na área de formalização de documentos e a companhia garante que todos os documentos serão recebidos a tempo.

Os clientes da nossa companhia são pessoas de diferentes classes e posições na sociedade: mulheres dos políticos e dos homens de negócio, estrelas de palco e show-business, estrelas de desporte, etc. O fato que faz-nos observar a necessidade de observar a confidencialidade completa da chegada e história dos partos. A nossa companhia tem a boa experiência de observação do “incógnito” completo da paciente a seu pedido durante a sua estadia no hospital e entre os funcionários. Nos casos restantes as parturientes conhecem uma com a outra e mantêm amizade durante todo o tempo de estadia em Miami e posteriormente quando regressam à casa.

VOU PARIR NO HOSPITAL!

A escolha do hospital bem como a escolha do doutor é um dos momentos importantes na organização dos partos e da observação posterior.

Antes de escolher o local de parto, faça as seguintes perguntas:

  • Será que o doutor licenciado de alto nível assistirá no processo de parto?
  • Será que tem médicos anestesistas 24 horas no local de parto?
  • Será realizada o exame do bebé recém-nascido?
  • Será que o pediatra realizar o exame do bebé logo depois do parto?
  • Se precisar do neonatologista, há pelo menos um disponível?

 

Se escolher o HOSPITAL — resposta “SIM” para cada pergunta!
Se escolher a CASA/CENTRO de PARTO— resposta «NÃO» para cada pergunta!

Nos EUA os centros de parto — são estabelecimentos que não tem equipamento necessário, não tem ginecologistas, anestesistas, pediatras, neonatologistas, nem o equipamento ultrassom ou aparelho de cardiotocografia, os partos nestes centros são assistidos somente por parteiras. Estes centros têm a má reputação por que têm a alta percentagem de traumas de parto e são usados pelas camadas pobres da população dos EUA.

Caso algo não corra bem durante os partos nestes centros, a parturiente será transportada para um hospital para fazer a operação cesariana urgente. Dez-quinze minutos de transporte da parturiente ao hospital poderão custar a vida do bebé. Só vai para o hospital para obstetrícia! Lembre que a sua saúde e a saúde do seu bebé é que o mais importante!

A companhia “Miami-mãe” não coopera com os centros de parto. Somente cooperamos com OS DOUTORES VERIFICADOS DE ALTA QUALIFICAÇÃO e com os melhores hospitais da Florida do Sul!

Será que eu posso?…

Às vezes ouvimos falar dos nossos clientes a seguinte pergunta: «Será que eu posso vir à América e receber uma assistência financeira dos EUA para parir na América? Ou seja: “Será que se pode parir por conta do estado norteamericano?”

Não se pode fazer assim porque uma pessoa que submete uma requisição para receber a assistência social do estado em forma de “Medic aid” ou através de outros programas similares, declara através deste que não tem dinheiro e que ela está pedindo uma ajuda em forma de cobertura das despesas médicas do orçamento dos EUA. Acontece que uma pessoa que pede a assistência social está enganando o estado americano. O engano consiste em que durante a entrevista na embaixada para receber o visto aos EUA o futuro candidato confirmou de todas as forças o sua prosperidade financeira e na realidade acontece o contrário – ela não só não pode sustentar-se a si misma, mas também está pedindo ajuda ao estado.

O ponto mais negativo da receção de tal assistência social do estado é que ao receber o seguro para pobres do estado depois do nascimento do bebé, a pessoa perde o direito para a entrada aos EUA no futuro. O problema é que toda a informação da solicitante (dados de passaporte e visto) se passa à base federal de dados e desta — para o consulado dos EUA e a solicitante vai para a assim chamada “lista preta”. Depois disso pode-se esquecer das viagens aos EUA porque nunca mais será concedido o visto. A recusa no visto será explicada pelo facto de que a solicitante enganou o consulado porque usou o dinheiro dos contribuintes dos EUA para cobrir as despesas médicas próprias declarando para conseguir o visto pela primeira vez que ela esteve financeiramente autosuficiente.

Tenha cuidado das diferentes propostas baratas que são baseadas no engano do governo dos EUA porque são orientadas para receber a assistência social.
A companhia “Miami-mãe” apresentar-lhe-á um pacote de documentos do doutor e do hospital confirmando que as obrigações sociais foram cumpridas por você de forma completa.

No futuro isto poderá ajudá-lo a receber o visto aos EUA posteriormente. Será necessário apresentar este pacote de documentos durante a conversação na Embaixada Americana se você quiser solicitar o visto aos EUA outra vez. Em outra chegada aos EUA você precisará deste pacote de documentos para que você possa confirmar ao oficial de migração que não usou a assistência social.